quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Um mundo melhor (Uma Grande Reflexão)

Olá pessoal,
Saudações

Hoje quero dar sequência ao livro de reflexões, e partilhar com vocês, aquela que será até agora a maior sessão de reflexões que puder fazer em um único texto.. Imaginando um mundo melhor, pude gerar aquilo que denominei:


UMA LONGA REFLEXÃO


Talvez o mundo seria melhor...


Se os inimigos admitissem a qualidade do seu rival e os amigos conseguissem admitir as mazelas dos seus amigos. Seria melhor se a mentira fosse desnecessária mesmo que a verdade não fosse obrigatória.
Talvez este mundo seria diferente...

Se trair não fosse motivo de vangloriar-se para os rapazes ou objecto de vingança para as senhoras. Se ser fiel fosse um prazer que curtíssemos na boa Esse mundo poderia ser melhor se os subordinados esquecessem um pouco as promoções e bajulassem menos. Se demonstrassem a sua insatisfação e tivessem a coragem de com alguma sinceridade criticar os seus líderes.

Talvez...

Se os relacionamentos tivessem como base o amor e o respeito pelo ser.. E o sexo apesar do seu poder fosse um mero complemento para o e prazer dos conjugues. Este mundo seria menos desprezível se o rico na verdade fosse independentemente do volume monetário ou material, aquele que tem sabedoria, aquele que ama o próximo e vive para melhorar... E se o pobre fosse o egoísta e materialista que ostenta mais bens e nada faz para o melhor do seu meio...

Talvez esse mundo seria melhor...

Se a união de todos fosse no sentido da participação social e comunitária. Se a separação no casamento fosse apenas após a morte de um ou de outro...

Talvez teríamos menos pressão se a Luta em torno de aceitar ou negar passasse por resistir a Satanás se entregando a Deus não simplesmente indo a igreja ao domingo ou quantos dias forem. Mas sim traduzir a ida a capela em gestos de louvar para o bem de todos fora do templo...

Acredito que seria melhor assim..

Se o trabalho que nos demos a invejar os bem-feitos dos outros fosse traduzido em esforço para igualar ou para trabalhar em nós também, aquilo que no alheio apreciamos. Ou mesmo contribuíssemos para a manutenção de tal qualidade ou atributo no seio do outro.

Acho que o mundo teria mais sentido...

Se o pacote de críticas que oferecemos aos outros fosse menos vazio. Se este pacote trouxesse como garantia a solução ou a mitigação dos erros que originaram a nossa crítica.

Talvez o mundo estaria menos porco...

Se vivêssemos para satisfazer as necessidades e não propriamente nos matarmos para satisfazer meros desejos canais ou materiais... Teria mais sentido, se sempre que nos fosse atribuída uma responsabilidade honrássemos com distinção e o desleixo fosse para não fracassar ou mesmo para justificar apenas a imperfeição.

Que tal seria...?

Um mundo sem desgraça e nem sorte... Só com mérito e sem culpa. Com responsáveis e sem acusados. Onde a graça de Deus fosse responsável por tudo... Se ao batalharmos fossemos até ao final e levantássemos a cada queda, extinguindo o sentido da palavra desistência e exaltando a palavra persistência. Se lutássemos não para ganhar e nem para perder. Apenas para dar o melhor.

Quão bom seria o mundo...

Em que focar sempre o passado e o futuro não fossem prioridades e apenas o presente fosse uma referência por ser a carta que temos na mão. O atrás e o à frente fossem substituídos pelos laterais.

Um mundo sem ignorância, onde todos ajudam todos e ninguém prejudica ninguém. Seria bom de ver e de se viver num mundo onde a paz fosse mesmo mundial e os armamentos das guerras ou de defesa fossem convertidos em meros metais de base para forjar indústrias de garantia ao pão e a água. A energia e a saúde para todos.

Teria mesmo mais sentido assim...

Se deixássemos um instante a vida louca e nos tocássemos que é na prudência que vem o prolongamento. E mais um minuto é sempre melhor do que um final indesejado.

Seria melhor o mundo...

Se essa vida de Luxúria dos que tudo têm fosse repartida para gerar serviços básicos e bens de primeira necessidade para todos... Se passássemos a prometer menos e cumprir mais com as nossas palavras.


Um dia será melhor…
Se formos cidadãos do mundo, do país, da província, da comuna, do bairro ou do município e não propriamente das nossas casas ou das nossas vidas singulares...
Não importa o quanto você faz... Se for o teu melhor acredita que é tudo que deves fazer...

Seja a mudança que esperas para o mundo.

Por: Emerson JC Lourenço AKA Daltton
Em: A viagem de Candongueiro
Enviar um comentário

Pesquisar neste blogue