quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Lixo Psicológico

Olá Malta Jovem...

Mais um dia de estrada e ainda na senda das reflexões, venho falar-vos de forma breve sobre muitas das coisas que passam pelas nossas preciosas cabeças e na maioria dos casos não têm contribuído para a nossa evolução e crescimento como pessoas dentro da sociedade.

Trato por lixo psicológico, todo o pensamento que seja negativo relativamente a uma acção que leva avante um indivíduo. 
Todo o paradigma, crença prisional, tradições retardatárias, e de certa forma todos os hábitos pessoais, propriamente adoptados por um indivíduo ou seguido por um conjunto de indivíduos que de certa forma nos privam de novas descobertas e de saltos para novos níveis sociais e de consciência que de certa forma causariam algum desenvolvimento na nossa comunidade angolana em particular e na generalidade sobre toda África. 
Todos temos as nossas prisões psicológicas...

 
Todos temos a nossa lixeira psicológica e uns mais do que os outros, partindo da educação e dos costumes adquiridos na zona de vivência em que nos inserimos e os meios sociais que frequentamos. Começamos pelos hábitos, desde as músicas que ouvimos, a forma como escrevemos, os locais que frequentamos e a forma como interagimos dentro dos mesmos.

O mais pobre terá paradigmas sobre os mais ricos e vive-versa. Os menos desenvolvidos terão algum medo ou receio sobre o desenvolvimento pela mudança que lhe poderá introduzir. 

Os menos criativos serão pouco ousados em pensar pelo facto de se limitarem por mitos tradicionais e as crianças irão aceitar tudo que lhes for dito sobre não fazer alguma coisa pelo facto não possuírem a liberdade para contestar ou investigar a respeito do que lhes foi dito. O Habitante da periferia não se sentirá digno de frequentar locais da cidade grande por imaginar inúmeras restrições ou condições que o impossibilitam de lá estar. 

uma imagem curiosa

E por outro lado, o habitante da grande cidade terá algum medo em transitar nas periferias pelo facto de ter em consciência sobre o perigo iminente que lá ronda. Todos estes factos de certa forma contribuem para a limitação que muito existe nas nossas sociedades.

Admite-se que as restrições existem. Mas as mesmas não são o bicho que é retratado por todos. Cada um, independente do local em que se situa e da educação ou condição social que ostenta, possui o livre arbítrio e a capacidade de pensar para criar ou pensar para agir. Logo, a superação de um paradigma ou a extinção de um mito, depende exclusivamente do acto  de investigação, análise e se possível experimentação, a fim de saber de forma pessoal sobre a veracidade daquilo em que acreditamos.
O conhecimento não tem limite...

Busque por pensamentos saudáveis e elimine o máximo de paradigmas e mitos possíveis em sua cabeça. Caso haja alguma dificuldade, peça ajuda a bíblia que tudo sabe ou a alguém cuja experiência seja notável para as tuas aspirações.

Por: Emerson JC Lourenço AKA Daltton
Em: Reflexão Comportamental


Enviar um comentário

Pesquisar neste blogue