segunda-feira, 17 de agosto de 2015

PORQUE SOFREMOS POR AMOR II




Olá pessoal

Mais uma semana começa e abertura irá para a sensibilidade humana no que toca as questões amorosas. Darei continuidade ao meu livrinho "Porque Sofremos Por Amor" e hoje irei introduzir mais um estrato de um dos capítulos.

Aqui vai!!

Desilusão no Amor

Sofremos por amor por não usar o cérebro antes do coração.

O coração ou o lado irracional do ser humano é extremamente sensível e sentimental e o seu tratamento para toda informação será feito nesta vertente. O que leva-nos a querer rápido, investir de mais e na maioria das vezes obter resultados inesperados. Pelo simples facto de o coração não pensar nem medir, apenas investe.

O coração é inconsequente pois o mesmo vive de satisfação momentânea. É mais viável fazer investimentos com coração no âmbito de relações ou questões religiosas do que propriamente amorosas. Para o coração quase tudo é amor.


A ala racional ou a cabeça propriamente falando é mais selectiva e pensativa. Na cabeça as informações são recebidas, analisadas, confrontadas e em função do momento e de situações do género vividas a mesma elabora uma conclusão sobre o momento em que nos encontramos. Somos seres humanos e racionais por natureza, temos impulsos mas na maioria das vezes não devemos agir em função deles. “antes de agir pare e pense”.

A cabeça estima e quantifica, prevê os resultados, analisa as circunstancias de forma criteriosa e joga um papel preponderante na tomada de decisão a respeito de uma pessoa. É necessário que se faça uma leitura fria e racional a respeito da pessoa na qual iremos depositar confiança ilimitada e partilhar de vários momentos da nossa vida.

Na ala racional é possível detectar sentimentos, ilusões, sensações, confusões e tudo que estejamos a sentir num determinado momento desde que nos coloquemos em posição fria e firme. Dentro deste sintomas detectados devemos seleccionar e apreciar a sua evolução ao longo do tempo de maneiras a obter uma conclusão satisfatória em função do que realmente queremos.


Da ala racional para a irracional descreve-se o trajecto no seguinte formato:

-colecta
-analise
-tratamento
-decisão
-encaminhamento
-armazenamento da informação
-valorização.

Após uma analise e conclusão criteriosa sobre a pessoa pela cabeça já será mais claro aborda-la e definir o que sentimos por ela que se for amor de verdade poderá ser tratado e armazenado no coração estando mais claro e limpo para que não hajam consequências negativas num futuro próximo.

O amor é uma necessidade vital. Tratar por amor qualquer emoção que nos vem a cabeça contribui para a maioria das decepções em termos conjugais nos dias de hoje. Cada momento psicológico requer o seu tratamento em função do que representa para o nosso estado de espírito

 Por último, os pensamentos e análises devem caminhar em concordância com os sentimentos na percepção da realidade em torno de qualquer situação em que nos encontramos, senão arrisca-mo-nos a estar supostos a um mar interminável de ilusões.



Deixe que o seu cérebro seja amigo do coração


Por Emerson JC Lourenço AKA Daltton

Em: Porque sofremos por Amor
Enviar um comentário

Pesquisar neste blogue