terça-feira, 18 de agosto de 2015

A máscara do Estrangeirismo



Importação Cultural

Saudações ilustres!!

De volta a estrada e dando continuidade ao Baile de máscaras, trago para vocês mais um estrato do livro e nesta abordagem, falarei de forma resumida sobe alguns pontos da importação cultural, que têm como motivação, a baixa auto estima por parte de muitos cidadãos angolanos, tanto do sexo masculino como feminino. 


Aos poucos estamos a perder a nossa identidade e são poucos que com alguma autenticidade ainda detêm o título de Angolano de raiz. a cada dia que passa temos importado de tudo, e de todas as parte do globo. as novas tecnologias têm chegado ao nosso solo e usadas de forma avassaladora, destruindo de certa forma o que temos de mais precioso: a nossa essência, as nossas raízes, cultura e tradição.


O complexo de inferioridade leva-nos a importar desde a cor da pele, os troços corporais e faciais até o cabelo...

As mulheres negras de carapinha dura se sentem inferiores pelo tamanho ou a leveza do seu cabelo e buscam do Brasil ou da Índia os mais leves e longos cabelos para aplicar com costura e tornar-se as mais belas por onde passam.

Na ausência de uma fisionomia ou um rosto esteticamente agradável aos olhos de quem observa, homens e mulheres com possibilidades recorrem ao exterior para operações plásticas para aumento ou redução de massas corporais e traços faciais mais lindos**


Os mais desprezíveis são os que nem como negros se aceitam. Este é o cúmulo!

O recurso dos negros a produtos cosméticos para clarear o seu tom de pele já existe a décadas e sem grande sucesso cá em África como se observa ao cidadão congolês que utiliza o processo vulgar conhecido por Paculamento** usando o creme mekako** e tal acto resulta-lhes a uma cor estranha e que lhes submete a certas restrições quanto a sua exposição ao ambiente. Mas estes já conseguiram ser vistos como normais e pelo que parece isto pertence a sua cultura (rs).

Recentemente, muitos de nós Angolanos, em crise de auto estima e em busca de uma nova máscara para a passagem de escuro para claro, como se têm observado ao caso de algumas figuras públicas de destaque no mercado musical, recorrem a injecções intravenosa s e aos produtos outrora utilizados pelos Langas** (cidadãos Congoleses) e com algum sucesso conseguem satisfazer as suas aspirações e obter a tal pele mais clara.


Ridículo. Está é a palavra ideal para descrever todo este círculo e um conjunto de máscaras sem necessidade e totalmente sem valor. Ridículo porque ao mudar de cor não muda a personalidade nem a forma de agir ou pensar. Diferente de mudar de roupa, adquires uma nova imagem nada autêntica e que de certa forma abre uma margem de questionamentos a teu respeito. Mais ridículos ainda quando a sua hipocrisia os leva a dizer que sentem-se bem assim.


Imagine como ficam as pessoas que te conhecem? Os que gostavam de ti sendo negro? O filho que diz ter um pai negro e da sua cor, como justificará o novo tom de pele do seu pai? Como justificará um casal de negros e sem descendência branca ou mestiça ter um cidadão de pele mais clara como filho?

Enfim... E execução dos actos não é feita com a análise do seu impacto no meio em que os mesmos estão inseridos. O momento é o que importa!


Deixo algumas considerações para quem ainda procura ser o mais Angolano ou Africano possível:

Qualquer coisa perde o seu valor o seu detentor não estima o mesmo nem o aceita como é...

A tecnologia é bem usada quando serve para beneficiar o público-alvo e o mesmo faz o uso dela adaptando o máximo a sua cultura ou realidade social. A maior forma de optimizar um produto é dar continuidade a sua expansão, introduzindo nele modificações de acordo ao seu modo de vida e não viver de acordo as condições a que ele te submete...

Vamos usar as receitas estrangeiras para cozinhar o que é nosso e com os nossos ingredientes.

Se viajares, certifique que levas na bagagem a tua bandeira, e uma série de itens que te identificam e dão a conhecer aos estrangeiros sobre o teu país, a realidade e potencialidades.

Encho de aplausos as mulheres que conseguem extrair a elegância usando o seu rosto, corpo e cabelo natural, alternando os vestidos confeccionados por modistas estrangeiros e buscando sensualidade e trajadas de panos em vários formatos.



Aqueles que conseguem levar a nossa música além-fronteiras, espero que continuem. E aos que trazem de forma digo novamente que a inspiração e a cópia são coisas muito distintas.


Por Emerson JC Lourenço AKA Daltton

Em: O Baile de máscaras (dia 01 de Setembro disponível para download)
Enviar um comentário

Pesquisar neste blogue