terça-feira, 7 de julho de 2015

Porque Sofremos por amor _ (Parte 1)

Olá pessoal. 

Me foi lançado o desafio em escrever sobre amor. E como eu não sou autoritário nesta área, decidi ler um pouco e me enquadrar em cada leitura que fui fazendo e por fim consegui formular uma análise que espero ser sólida e bem entendida por todos que lerem esta publicação. 

Sofremos por amor quando nos precipitamos



Conhecer alguém é um processo que logo a primeira vista ou o primeiro contacto gera diversas impressões do ponto de vista sentimental, quer seja, podemos sentir-nos atraídos fisicamente por esta pessoa, podemos ter um carinho especial por ela, podemos nos sentir cativados por um ou outro comportamento que haja nela e que nós gostaríamos que tivesse em nós ou na pessoa na qual esperamos que seja a nossa companhia.

A primeira impressão é repleta de rosas ou espinhos o que requer uma devida apreciação e criteriosa interpretação de todos os sinais que possamos colher logo a princípio.

A interpretação destes estímulos leva-nos muita das vezes a tomar conclusões precipitadas a respeito do momento que pode ser de curta ou muito curta duração.

E a precipitação leva-nos a declarações apressadas as vezes sem querer saber que feed back virá da outra parte. O outro lado pode não demonstrar correspondência na ordem a que nós esperamos, logo, torna-se difícil digerir tal reacção o que coloca-nos em um estado cabisbaixo e na maior parte dos casos de inconformismo causando um prolongamento na luta pela incerteza amorosa que o outro eventualmente possa vir a sentir por nós.


Um falso alarme significa uma tomada de decisão. E a decisão que surge deste alarme pode mudar o quadro ou interromper um processo simplesmente pelo facto de agirmos antes da horta H.


A paciência, a devida análise e a calma são factores decisivos nestas situações. É necessário muita frieza para abordarmos alguém na qual estejamos interessados pois pela simples simpatia nós podemos confundir as coisas.

Neste contexto, o maior sofrimento será aceitar que nos enganamos a respeito dos nossos sentimentos e que devemos olhar para frente e tomar a melhor decisão possível. 

Não apresse o tempo!!


A calma compensa e o tempo amadurece as coisas. Uma prova sem preparação reflecte, gasto de esforços e perda de tempo para um fim desnecessário. 

Na maioria dos casos o fracasso é uma certeza. o que muda o rumo é a atitude que tomamos em contorno disto bem como os sacrifícios que estaremos dispostos a fazer para conseguir a vitória.

Se abordares alguém e por ventura bater algum clima, deixa as coisas desenrolarem e não seja você a forçar as coisas. Cultive relações naturalmente, de forma devida, em tempo certo terás uma colheita abundante e de boa qualidade. 

Pense nisso!!


Por Emerson JC Lourenço AKA Daltton

Brevemente o livro:
#O Protocolo da Maioria_31/07/2015#




Enviar um comentário

Pesquisar neste blogue