quinta-feira, 9 de julho de 2015

O Estudante Universitário

Olá pessoal, estou de volta.

E desta feita irei dar continuidade ao meu bloco de notas resumindo mais uma das notas que consta do livro "O Protocolo da maioria". A conduta dos académicos Universitários a nível nacional é de se lamentar e deixa muito a desejar porque a sua participação no desenvolvimento da sociedade ainda não se faz sentir. De forma breve irei fazer um pequeno contraste entre um estudante no protocolo da maioria e um estudante de destaque pertencente a uma minoria da sociedade.


Boa Leitura!!


No protocolo da maioria, cresce diariamente a necessidade dos jovens de ingressarem as instituições de ensino Universitário. Todos querem ser doutores, Engenheiros, Juristas, Economistas, gestores e professores e quase todas outras profissões que se adquirem após a conclusão dos estudos.


A maior preocupação da maioria a quando do começo é a sua imagem. Realmente a imagem é importante no que toca a postura de um estudante mas a mesma é centrada na forma como vestir ou o estatuto com que os outros irão nos encarar. A maioria veste-se bem e tenta transparecer uma imagem de grande e eloquente nas suas ideias.

Mas tal comportamento, de longe, não reflecte ao desempenho ou a conduta diária como os tais ESTUDANTES DA FAU**. A maioria não investiga e limita-se ao conteúdo que lhes é dado pelos professores. Poucos são os pontuais e muito poucos são os assíduos. Não têm um programa de estudos regulares e na sua maioria e grupo de estudos só serve para preparação de provas. O que não seja mal mas não é a única via para qual pode se dar o uso destas reuniões entre estudantes.

O modelo das aulas é que nem um culto religioso em que o professor é o pastor e passa a aula toda a falar pois os alunos não interagem e não tem o hábito de opinar ou estimular debates ao lo longo das aulas. Não assimilam quase nada e não garantem respostas para o investimento que lhes é depositado.

Na sala de aula a mentalidade está comprometida com o exterior. Pois é lá onde há o mundo dos estudantes.

O domingo passa para a segunda pois o sábado foi vivido com um excesso que obriga a dois dias de descanso que de nada serve pois no Afterwork a sexta começa ainda na quinta. O que nos garante apenas uma boa terça e quarta-feira de estudo. O estudante deve se divertir! Mas a maioria encara a diversão como prioridade e não consegue conciliar estes dois meios tão diferentes (Universidade e Discoteca ou festa de quintal).


Durante 4 a 5 meses de estudo e na mesma rotina, chegam as provas que decidem quem continua e quem fica nesta jornada. A maioria demonstra-se apreensiva e extremamente preocupada pois dois dias não são nada para preparar o que se foi visto em 4 meses e resumir em um teste de 2 ou 1h:30min.

Mas mesmo assim a maioria demonstra-se confiante e descontrai porque nos dias de hoje o mau uso dos nossos telefones cuja ferramenta de Internet que não usamos para o apoio as aulas, é tão eficaz e suficientemente sustentável para garantir uma boa cábula e nota de destaque. Uns se safam mas uma boa maioria não se safa nem com isso.

Alguns demonstram-se confiantes e de uma forma simples conseguem ir ao chinês e resumir em uma folha pequenina (os chamados papelinhos ou miniaturas) a folha do caderno e fazem isto para as matérias de destaque para assim assegurar a sua consulta ou ajudinha durante a prova. Até para se cabular é necessário ser inteligente e criativo.
                                                 
Há os mais relaxados e vão na graça de Deus porque o amor ao próximo leva-lhes a confiar na boa vontade do outro. 

O Dito Colega barra.
 
Graças a Deus as coisas não são tão más como parecem. Pois o tipo barra ainda existe e passa pelo orgulho da turma e o modelo a seguir.


O tipo barra prepara a matéria com grande antecedência e sacrifica parte do seu tempo estudando e ajudando os colegas. O tipo barra passa noites em claro e sacrifica alguma parte do seu tempo investindo em leituras, procurando a compreensão da matéria. O mesmo tipo não tem muito dinheiro as vezes mas por vontade própria consegue comprar livros para engrandecer o seu intelecto. O tipo barra não é diferente da maioria. O tipo barra também vai as festas e noitadas e de vez em quando estaciona em mutambas. Mas ele destaca-se da maioria porque vê na universidade um desafio e uma oportunidade de se evidenciar e se impor na sociedade.


A Universidade e o berço do Desenvolvimento em qualquer parte do mundo. E se não começamos a olhar as coisas tal como devem ser, a decadência será a morada mais próxima desta sociedade que não anda nada boa. O Licenciado em uma grande universidade tem o prestígio porque a quando da conclusão do curso, o mesmo propõe a resolução de um problema social com base nos anos de estudos e nas matérias que conferiu ao longo dos mesmos.



A Universidade é diversidade. Não faça dela uma dificuldade. Entre, se informe e se forme. Não saia deformado para depois te chamarem de frustrado.Vamos despertar os tipos barras dentro de nós e procurar ser os melhores estudantes possíveis.


Por: Emerson JC Lourenço AKA Daltton
Em: #O Protocolo da Maioria#
download gratuito em 31/07/2015
Enviar um comentário

Pesquisar neste blogue