segunda-feira, 27 de julho de 2015

Relacionamentos Precoces (Namoro Madrugador)

OLÁ PESSOAL...
Espero que o final de semana tenha sido agradável. 

Cá estou de volta para mais uma semana de informação e muita reflexão em torno dos factos pertinentes na nossa sociedade. Para hoje falarei de um tema abrangente mas de uma forma resumida. Trago em questão o facto de adolescentes e jovens que embarcam tão cedo para relações amorosas e de envolvimento sexual, chegando a comprometer a sua linha do tempo e colocando em causa muita das vezes a sua integridade física e psicológica.

Aqui vai!!

Todos nós quando jovens ou ainda adolescentes pelas nossas necessidades afectuosas (amor ou carinho), materiais (dinheiro e outros bens), fisiológicas (sexo) ou de conforto, senti-mo-nos em posição de nos relacionar com o oposto recorrendo a satisfação destas necessidades.

Esta busca em muito dos casos, tal como a conquista, torna-se na vida dos jovens, um factor ditador do seu humor, das suas atitudes, das suas amizades e muito em grande parte dos ciclos em que estará o mesmo inserido.

Os jovens cegam-se e se deixam levar pelas questões amorosas em detrimento do que realmente lhes é conferido para a sua idade. Os seus namoricos, com grande relevância interferem nas suas outras relações dentro da família, na escola, no meio de amigos ou até mesmo no local de trabalho.


A maioria começa uma relação motivado por um interesse comum que vai desde afectivo, material ou sexual. Satisfeito este interesse, o que restará? Depois de entregado o dinheiro e o prazer ou explorado o afecto ao ponto de não ver graça,  o que lhes  motivará a continuar? Daí percebemos que conquistar chega a ser mais fácil e gerir é o maior bicho.

E quando não há capacidade para dar continuidade a gestão, surge em um dos parceiros e necessidade de abarcar para outra relação. O que de certa forma gera uma série de constrangimentos para a outra parte. As consequências de receber certas coisas (sejam boas ou más) de forma apressada ou precoce, cedo de mais para o nosso tempo, assenta-se no facto de tão cedo também provar  dos seus dissabores. Um relacionamento conjugal requer uma certa preparação e alguma maturidade acrescida.
 "Porque quando uma criança de 13 anos já diz que está triste porque o namorado não lhe ligou" ou "terminou com o namorado", já é uma questão caricata. Que necessidade tem esta criança que lhe leva a arranjar um namorado (e não é um namorico de infância). Factores financeiros, sexuais ou afectivos?

Enfim. São coisas que acontecem no dia-a-dia e com alguma normalidade são encarados pelo facto de ser um comportamento da Maioria.

A maioria começa cedo e tão cedo conhece o sabor da angústia e desilusão amorosa. Tão cedo conhecem o prazer e cedo demais descobrem os seus inconvenientes. Cedo de mais preocupam-se com questões amorosas e chegam a pular certas fases da vida.


A maioria parte de uma influência, pois esta é a maior impulsão para a tomada de uma decisão ou a realização de uma acção.  Influencia que pode ser de um um amigo, irmão, ou qualquer meio social que estes tenham contacto.

A maioria dos pais não dá o devido acompanhamento aos seus filhos, impossibilitando os mesmos de estar num ambiente em que o crescimento seja faseado. Daí a vulnerabilidade a que eles se submetem,  apanhando na rua e em primeira mão,  comportamentos impróprios para a sua idade e sem filtro nenhum pois não há uma instrução que lhes possibilite decifrar sobre o que deve e o que não deve.

Perfil dos Intervenientes

A maioria dos homens são jogadores. Jogadores ambiciosos,  craques demais e inquietos. Do tipo que participam em todas as jogadas e não deixam bola nenhuma lhes escapar. São autênticos predadores em campo. Trocam de clubes com grande frequência porque todas as ligas conhecem os seus dotes e querem -los brilhar nos seus campos. Ou seja, são autênticos super dotados.

De uns tempos para cá e com a tendência que vem crescido nas mulheres em lutar pela igualdade de direitos e de género, vem se observado que as mesmas, desde adolescentes,  procuram estar a nível dos homens dentro e fora dos campos. E aliam-se a alta competição por um objectivo muito contrário ao dos rapazes.

Rapazes jogam por prazer, ego e prestígio (no seu ponto de vista) e as meninas aliam por dinheiro,  prazer e procura pelo par perfeito.

Nesta caminhada que não é fácil para nenhum dos dois, acontecem vários acidentes, desde doenças contraídas em actos sexuais, desilusões,  suicídios,  burlas, instabilidade psicológica e tantos outros constrangimentos. 

Que justificação será dada para o caso de um rapaz de 17 anos que após terminar com a sua namorada atira-se do alto de um prédio ao ponto de perder a vida?
Para onde estamos a caminhar?

O que pretende uma miúda de 12 anos a dizer que o homem com ela na cama passa mal?? Qual seria a acção acrescida a esta linha de pensamento?? O que fará ela na cama??

RESUMINDO:

Se cedo perderes a inocência, acredita que tão cedo irás conhecer a dureza da realidade do mundo em que vivemos. Opte por viver etapa pós etapa e não corra com a vida, porquê quando ela correr contigo não terás passada suficiente para acompanha-la.
Olhe para as prioridades que proporcionam o desenvolvimento e a auto-realização, viva em função destas e verás que a vida lhe será mais fácil e leve para suportar.

Desejo  uma boa segunda feira e uma óptima semana.
Sexta feira espero que baixem o livro.

Por: Emerson JC Lourenço AKA Daltton
Em: "O Protocolo da Maioria"
31/07/2015

Enviar um comentário

Pesquisar neste blogue